Contra o garimpo ilegal, Ibama aplica mais de R$ 4 milhões em multas em TI Yanomami

Mais notícias

Operação Silaka fiscalizou regiões de apoio logístico à atividade na terra indígena, embargou 233 hectares de terra e apreendeu equipamentos

Boa Vista (RR) – As atividades ilegais de garimpo no interior da Terra Indígena Yanomami, no estado de Roraima, foram alvo da Operação Silaka, realizada pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no mês de maio. Durante a atividade, foram lavrados 24 autos de infração, totalizando R$ 4.005.000,00 em multas e 233 hectares de área foram embargadas.

Os alvos da fiscalização foram pistas de pouso clandestinas e rotas terrestres situadas ao redor da TI e nas proximidades de Unidades de Conservação Federais. Os locais servem de porta de entrada para o abastecimento dos criminosos com equipamentos utilizados nos garimpos. Também foram apreendidos 27.500 litros de combustíveis (incluindo específicos de aviação), mercúrio, materiais, equipamentos, um caminhão tanque e outros veículos.

A Silaka integra o Plano Nacional Anual de Proteção Ambiental (PNapa) do Ibama para o ano de 2021 e faz parte de um conjunto de ações em curso no estado de Roraima para combater os crimes ambientais associados à atividade de garimpo ilegal no interior de TI.

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a Companhia Independente de Policiamento Ambiental de Roraima (CIPA/PM-RR), a Fundação Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Femarh) e o Exército Brasileiro foram parceiros do Ibama na execução da operação.

- Advertisement -