domingo, novembro 28, 2021

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia do Inpa destaca a transversalidade da C,T&I para o planeta

Mais notícias



Evento abre as portas da instituição para socializar conhecimento e tecnologias com a sociedade, aproximando a ciência do cidadão. Por causa da Covid-19, as atividades serão virtuais e transmitidas pelo canal do YouTube/INPAdaAmazonia

O diálogo entre diferentes conhecimentos e práticas na Amazônia terá destaque na 18ª edição da “Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) – A transversalidade da ciência, tecnologia e inovações para o planeta”, que vai acontecer de 23 a 29 de outubro. O Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI) oferecerá atividades virtuais gratuitas para todos os públicos, como o Portas Abertas a laboratórios, visita no Bosque da Ciência, atividades lúdicas, contação de histórias, oficinas de artes plásticas, palestras e roda de conversa, além do Sarau Ciência e Arte na Amazônia: Soberania Alimentar,  que encerrará a programação.

A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia tem como proposta, em 2021, o diálogo entre os diferentes saberes em busca de ações que ultrapassem as fronteiras do conhecimento e estimulem a cooperação. A SNCT é coordenada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), e no Inpa é promovido pela Coordenação de Extensão. O objetivo é aproximar as instituições de Ciência e Tecnologia da população, especialmente jovens e estudantes, promovendo eventos e atividades de divulgação científica em todo o País.

“Estamos felizes com a escolha do tema deste ano, pois ele faz parte central de nosso entendimento sobre a ciência que fazemos no Inpa para a Amazônia. A transversalidade é a ponte que conecta a construção do conhecimento teórico e a prática da vida real, é fazer ciência que dialoga, acolhe e traz respostas. Aproxima os diferentes para construir o melhor entendimento possível sobre o mundo que nos cerca. E o nosso mundo é a Amazônia”, disse a coordenadora de Extensão e pesquisadora do Inpa, Rita Mesquita.

Para a bolsista de Pós-doutorado do Inpa, a bióloga Juliana Hipólito, a transversalidade transpõe o diálogo da ciência para que a sua compreensão atravesse e articule diferentes estruturas sociais. “Ações transversais podem ser entendidas como aquelas em que há interação e comunicação entre diversas estruturas. Para isso, é importante que a inclusão de diferentes pessoas ocorra também, podendo ser um meio para encontrarmos uma solução para os problemas atuais, como aquecimento global e a pandemia de Covid-19”, comenta Hipólito, que tomou posse neste ano como membro afiliada da Academia Brasileira de Ciências (ABC).

O vice-presidente da ABC para a Região Norte, o pesquisador do Inpa Adalberto Val, ressalta a inclusão social e a geração de renda como algumas das finalidades da inovação e da produção de novas tecnologias na região amazônica. Isso, envolve, segundo ele, diálogo entre o conhecimento científico produzido nas instituições de pesquisa e o conhecimento tradicional oriundo dos povos da Amazônia.

“Hoje está claro que essas duas vertentes, apesar de ter matizes diferentes, podem conversar e se entender para produzir frutos extremamente importantes para a qualidade de vida de todos. As populações do interior da Amazônia possuem vasto conhecimento da floresta e dos rios. Precisamos socializar as informações e interagir com essas populações de modo a integrar os saberes em um contexto em que, conjuntamente, tenha-se melhoria da qualidade de vida”, destaca Val.

Transversalidade

O tema escolhido para 2021, “A transversalidade da ciência, tecnologia e inovações para o planeta”, traz para discussão questões que ultrapassam fronteiras para a realização de ações e políticas colaborativas. “Precisamos incluir cada vez mais ações transversais na ciência e tentar ao máximo incluir a comunidade em nossas pesquisas, seja escutando os seus problemas, seja incluindo algumas dessas pessoas como atores no processo de pesquisa”, enfatiza Juliana.

Nesse cenário, o Inpa se destaca por atuar em áreas relevantes para a biodiversidade na região amazônica, como Química, Biologia, Ecologia, Agronomia, Agricultura, Tecnologias Sociais, entre outras. “A instituição contribui para o entendimento não apenas da biodiversidade da região e como ela funciona, mas também do que está ‘escondido’ na floresta que pode servir para a melhoria da qualidade de vida ou que pode representar ameaças para a população, a exemplo de novos vírus”, completa Adalberto Val.

Programação

Entre os dias 23 e 29 de outubro, o Inpa terá uma programação especial, com as atividades realizadas de modo virtual e disponibilizadas a todos pelo canal no YouTube/INPAdaAmazonia. Na programação estão visitas virtuais a laboratórios (Portas Abertas) e ao Bosque da Ciência, atividades lúdicas para crianças mostrando como a ciência interage com a arte, educação, sustentabilidade e o combate à poluição. Também haverá contação de histórias, oficinas de artes plásticas, palestras e rodas de conversa.

Na sexta-feira (29), às 17h, ocorrerá o Sarau Arte e Ciência – Soberania Alimentar, reunindo pequenos produtores da Amazônia em um diálogo com pesquisadores do Inpa, artistas e pessoas dos diversos segmentos da sociedade. Coordenado pela titular da Coordenação de Tecnologia Social (Cotes/ Coext), Denise Gutierrez, o Sarau recebe auxílio financeiro do Programa de Apoio à Popularização da Ciência, Tecnologia e Inovação (POP CT&I), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), e terá entre os resultados um portfólio e obras produzidas pelos artistas convidados.

Saiba Mais

A SNCT integra, desde o ano passado, o Mês Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovações (MNCTI), do qual todas as entidades vinculadas do MCTI em outubro têm um dia na grade de programação online com transmissão pelas redes sociais do Ministério (YouTube/MCTI, @MCTI). O dia do Inpa será 29 de outubro, quando o Instituto vai comemorar 69 anos de criação.

PROGRAMAÇÃO DA SNCT INPA – 2021

- Advertisement -